sábado, 17 de setembro de 2016


Boa tarde...








Nós, mulheres!


© Letícia Thompson



Não, não me cabe aqui revelar-nos. Mesmo por que, às vezes nem nós nos entendemos.

Choramos facilmente, rimos com o coração. Nem sempre quando dizemos "não" significa que estamos dizendo "não." Muitas vezes, quais crianças mimadas, só precisamos que insistam um pouquinho...

Descobrimos que um sorriso pode produzir milagres... e uma lágrima também! Nada mais comovente que uma mulher que chora, um sorriso pode desarmar qualquer homem...

Damos à luz sob uma dor terrível e nos esquecemos imediatamente depois de termos nosso anjinho nos braços.

Corajosas, frágeis e fortes, vamos à luta sem capacete e sem espada. Temos um coração ao lado do cérebro. Não temos músculos, temos garra.

Quando nos oferecemos um presente, não é porque temos a mania compulsiva de gastar, mas porque queremos nos consolar de alguma coisa que falta na nossa vida. Somos nossos próprios anjos protetores. Como mulheres, agimos como mães sempre, para os outros e para nós mesmas.

Não buscamos igualdade! Mesmo se nós pudermos exercer várias profissões, há emoções que correm como turbilhões dentro de nós que jamais poderão ser experimentadas pelo sexo oposto, há a dor e o prazer de oferecer a luz do dia a um anjo!... Não... jamais haverá igualdade! Cada um faz sua parte, cada um tem a sua importância, nem menor, nem maior, mas todos somos importantes.

Senhores!!! Não estamos mais à espera de príncipes encantados montados em cavalos brancos! Há muito entendemos que esses só existem nos contos de fadas. O que queremos é simplesmente sermos amadas. Nada mais, nada menos. Não nos preocupamos com músculos e caras, queremos simplesmente alguém que possa nos amar. Parece complicado e, portanto, é tão simples: só precisamos ser amadas! O resto a gente inventa depois!

Dentro de nós habita uma fadinha romântica que nem os desenganos, nem os casamentos e nem os anos poderão matar. Talvez seja essa uma das diferenças básicas entre um homem e uma mulher: o duende morre mais rápido, morre depois da conquista...

Nós, mulheres, seremos sempre... jovens, idosas, maduras, imaturas, belas, feias, dengosas, charmosas, mimadas, vaidosas ou não... apaixonadas ou à espera.. mas sempre, sempre, vai pulsar no nosso peito esse coração de mulher. Coração que ninguém entende... mas que sabe muitas vezes adivinhar a vida!



Sol Hoffmann

sexta-feira, 15 de julho de 2016


Boa noite amigas...









 Amanhã não existe



As pessoas não são eternas. Pelo menos não na vida terrena. Elas apenas passam, vivem o tempo que lhes é ofertado e retornam à terra.

Ninguém pode acrescentar um segundo sequer à sua vida ou à de alguém. Não temos esse poder e quando a hora chega, ela chega.

Mas preferimos não pensar nisso. Julgamos que temos todo o tempo do mundo para fazer isso ou aquilo, para recuperar o perdido, para sarar o ferido e restabelecer a paz.

Amanhã eu ligo, amanhã eu faço, amanhã peço perdão, amanhã me reconcilio, amanhã... como se pudéssemos segurar o amanhã nas nossas mãos! Como se ele fosse chegar por nossa vontade e trazer tudo como ontem ou como hoje! Amanhã? Hoje é o amanhã de ontem e tudo continua na mesma, por que espera-se pelo amanhã.

Cada qual tem sua história e suas histórias. Cada qual sua cruz e suas dores, suas alegrias, seus lamentos, seus dissabores, seus ganhos e perdas. É o que nos forma como pessoas, que nos dá a impressão de existir, de fazer parte do universo. E há, assim, como com milhares de outros, relacionamentos quebrados, porque um dia alguém feriu e foi ferido.

Quando isso acontece, construímos em volta do nosso coração um muro, uma barreira que o outro não pode atravessar. Nos sentimos tão importantes com isso que nem percebemos que esse muro impede o outro de entrar, mas nos impede, a nós, de sair. Nos tornamos prisioneiros, aprisionados das nossas idéias e nossas mágoas. Não estendemos a mão e recusamos a do outro, caso nos estenda.

Enquanto isso, a vida continua. Não damos, talvez para punir e não recebemos, como punição que nos infligimos a nós mesmos, inconscientemente.

Vamos deixar para amanhã para resolver isso, porque hoje estamos magoados demais, não conseguimos perdoar e não queremos dar o braço a torcer, afinal, não erramos. E eu diria, como Cristo, quem nunca errou, que atire a primeira pedra!

Amanhã não existe. O amanhã, só o conhecemos quando o sol nasce e que o Senhor nos dá aquele dia a mais. E todo mundo não chega lá. Não podemos afirmar que estaremos ainda aqui, porque a vida é imprevisível, às vezes temos o sentimento que é mesmo cruel.

Se o hoje nos é ofertado, por que não viver sem grades e sem muros, em comunhão com o mundo e com Deus? O orgulho? Olhe para ele de cara feia e diga: eu quero é ser feliz e se eu quero, eu vou ser feliz!

Muros nos impedem de abraçar, de sentir o calor ou as batidas do coração do outro. Nos impedem de dar e de receber, nos transformam em pessoas separadas e isoladas.

Destrua, então, com coragem, dessa que só os grandes possuem, esse muro em volta do seu coração e volte a abraçar. Perdoe, mesmo se perdão não foi solicitado, porque cada qual deve dar conta da sua vida a Deus e a outra pessoa responderá por si mesma.

Liberte-se , porque se o amanhã não vier para a outra pessoa, você terá que aprender a conviver com seu coração fechado e terá perdido os melhores anos da sua vida.

(Letícia Thompson)



Sol Hoffmann

sábado, 18 de junho de 2016

Boa tarde amigos...









Falando com Deus...



Pai, perdoa-me
pelas vezes que sentei ao seu lado,
mas não ouvi o que dizias...

Pai, perdoa-me
pela visita rápida de fim de tarde,
antes do jantar de domingo...

Pai, perdoa-me
pela pouca paciência,
quando querias aconselhar-me
nos negócios...

Pai, perdoa-me
por achar que tuas idéias já
estavam ultrapassadas...

Pai, perdoa-me
por ignorar tua experiência de vida...

Pai, perdoa-me
pela minha falta de tempo
para passar contigo...

Pai, perdoa-me
pelo teu convite que recusei
porque ia sair com meus amigos...

Pai, perdoa-me
pela minha insensibilidade
na hora da tua dor...

Pai, perdoa-me
pelas vezes em que meus
filhos não te trataram
com o respeito que merecias...

Pai, perdoa-me
pelo abraço que não te dei,
pelo carinho que não te fiz...

Pai, perdoa-me
por não ter reconhecido
em ti o próprio Cristo...

Pai, abençoa-me...




Sol Hoffmann

segunda-feira, 9 de maio de 2016







Transformações



"Disse a flor para o pequeno príncipe:
é preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas."

(Saint Exupery em o Pequeno Príncipe)

Não se angustie se o dia de hoje
não lhe trouxe tudo o que você sonhou,
se precisou ficar até mais tarde no trabalho,
se vai ter que estudar até de madrugada para uma prova,
se te roubarem uma hora de sono na visita ao doente,
se a pessoa que você tanto ama ainda não te reconheceu,
se a promoção esperada não aconteceu,
se escolheram outro e você perdeu,
as vezes precisamos suportar algumas dores,
provas do caminho que parecem maiores do que nós mesmos,
para alcançarmos os nossos sonhos.

Mas é nessa prova, nessa luta diária que reside o prazer,
a certeza da vitória é a arma do vencedor,
é no dia a dia, no "suportar das larvas" que nos incomodam,
que deve crescer a certeza de que logo mais elas serão borboletas,
que serão belas e enfeitarão a vida que desejamos levar.

Todos precisam ter objetivos claros, definidos,
enxergar lá na frente o que hoje é apenas um projeto,
ver realizado logo ali o sonho que alimentamos,
e se não tivermos sonhos, de que valerá essa vida?

Se as tuas "larvas" estão te incomodando demais,
é porque a sua visão se estreitou,
você só está enxergando o problema,
nem percebe que seu sonho está próximo,
perdeu a beleza do vôo das borboletas,
perdeu a magia da transformação.

Acredite, tudo se transforma,
em tudo existe a magia da vida,
fonte eterna do amor e de luz,
e para toda angústia, o apoio
do braço amigo de Jesus.
Eu acredito em você.

(Paulo Roberto Gaefke)



Sol Hoffmann

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Boas Festas!
Feliz Natal!








Onde há amor, existe o natal


"Onde há amor, sempre há luz para iluminar os corações. Aonde há amor, haverá sempre a promessa de que a paz estará presente, portanto mesmo distante desejo que nesta noite especial que O amor invada seu coração e sua vida trazendo um Feliz Natal!"






Sol Hoffmann

domingo, 25 de outubro de 2015







Oito bons presentes que não custam nada.

O PRESENTE ESCUTAR...

Mas você deve realmente escutar. Sem interrupção, sem distração, sem planejar sua resposta. Apenas escutar.

O PRESENTE AFEIÇÃO...

Seja generoso com abraços, beijos, tapinhas nas costas e aperto de mãos. Deixe estas pequenas ações demonstrarem o amor que você tem por família e amigos.

O PRESENTE SORRISO...
Junte alguns desenhos. Compartilhe artigos e histórias engraçadas. Seu presente será dizer, "Eu adoro rir com você."

O PRESENTE BILHETINHO...
Pode ser um simples bilhete de "Muito obrigado por sua ajuda" ou um soneto completo. Um breve bilhete escrito à mão pode ser lembrado pelo resto da vida, e pode mesmo mudar uma vida.

O PRESENTE ELOGIO...
Um simples e sincero, "Você ficou muito bem de vermelho", "Você fez um super trabalho" ou "Que comida maravilhosa" faz o dia de alguém.

O PRESENTE FAVOR...
Todo dia, faça algo amável.

O PRESENTE SOLIDÃO...
Tem momentos em que nós não queremos nada mais do que ficar sozinhos. Seja sensível à esses momentos e dê o presente da solidão ao outro.

O PRESENTE DISPOSIÇÃO...
A maneira mais fácil de sentir-se bem é colocar-se à disposição de alguém, e isso não é difícil de ser feito.

(desc.autoria)




Sol Hoffmann

quinta-feira, 8 de outubro de 2015









As Rosas não Falam



Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão, enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar para mim

Queixo-me às rosas, mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim.

(Cartola)





Sol Hoffmann