quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Bom Dia!!!


Cacos de Cristal

Tarde fria
já não tenho como me aquecer
estou a procurar os cacos
de um lindo cristal que quebrar deixei,
busco, procuro,
onde estás estes cacos
pois preciso acha-los,
juntá-los,
pois uni-los será difícil,
porque se partiram em muitos pedaços,
talvez não será mais possível
refazer o grande estrago,
mas eu tento encontra-los,
pois também estou em estilhaços,
em pedaços.

Vim aqui hoje cheio de saudades,
penso em ti,
refleti,
me quebrei,
muito mais pelas inconseqüências da vida
do que por meus próprios atos.

Nesta tarde fria o pobre mendigo
se aquece com uma folha de jornal,
o sorriso daquela criança
vai se perdendo entre lagrimas
porque ainda não conseguiu um pedaço de pão
para matar sua fome,
e nesta tarde fria o tempo vai levando
a inocência daquele que acreditou nesta vida,
neste sistema,
nesta ilusão que a vida nos deu,
e assim vou percorrendo a procura dos cacos
daquele puro e delicado cristal,
que se partiu pelo som sussurrado
de minha voz ao murmurar palavras
que a fizeram sofrer e chorar.

Agora rouco,
já não consigo falar que eu me arrependo
das coisas que ti fiz,
mas sei que preciso encontrar estes cacos,
ai talvez por algum encanto ou magia,
eu possa restaura-lo mesmo que a tenha perdido,
por gestos impensados,
eu já não tenho mais seu olhar,
seu calor,
carinho
e o seu amor.

Onde está amada pessoa
que nem chequei a conhece-la direito
e por caminhos tortuosos tento te encontrar,
como se embriagado pela saudade e paixão,
reúno minhas últimas forças e começo a gritar;
como eu pude ser aquilo,
que jamais senti dentro de mim,
e assim vejo,
sinto,
percebo com tristeza a angustia que te causei,
fui insensato,
tive medo deste sentimento
e agora sofro por não ter sido tudo
ou nada deste lindo sonho.

Hoje vou indo e vindo no embalo das ilusões,
nada deixei para ti,
a não ser os cacos do lindo cristal
que você era e eu o quebrei.

Relembro com ternura nosso encontro,
onde com mágica,
nascia com doçura
o amor que eu recebia de alguém,
sem nada em troca me pedir,
mas hoje trilho por caminhos,
que não sei dizer para onde vai,
ou de onde eu vim...
Só,
muito só,
eu que com o passar dos tempos,
me amedrontei,
acovardei,
uma vez mais .

Estraguei mais que um sonho,
sonho este que não era só meu,
MAS DE NÓS DOIS.

Ivo Ramos -O Sonhador.



Sol Hoffmann